Carro ferrado

Minha família resolveu fazer uma viagem com 10 horas de duração no fim do ano para visitar parentes, para essa viagem meu pai decidiu comprar um carro melhor para que pudéssemos ter uma viagem tranqüila e sem preocupações.

Mas existia um pequeno problema, meu pai queria comprar um carro importado, seria uma realização de um sonho de criança do meu pai. Por causa desse sonho, ele quis por quer quis um carro importado, mesmo que fosse usado, (já que tinha dinheiro para gastar, que gastasse em algo bom, dizia ele...), por causa dessa teimosia acabamos comprando (para dar um jeito na birra dele) um carro japonês. Testamos esse carro por quase um mês só para ter certeza de que o bichinho era bom (até então ele agüentou o tranco)....

No dia da viagem tivemos um trabalho imenso para arrumar as bagagens e colocar tudo dentro do carro, após todos os preparativos a nossa viagem começou e iria demorar para acabar.... Com duas horas de viagem ainda estávamos animados e até cantando, animação que acabou quando algo aconteceu!!!! um barulho muito alto atrás do carro chamou a atenção da família toda, até que meu irmão com um berro mandou meu pai parar o carro:

O Pai parou o carro e desceu e para ver o que estava acontecendo, depois de dar aquela olhadinha básica ele exclamou “- mas que cacet*** o pára-choques esta caído e arrastando no chão!!!”

Com muito esforço e com a ajuda de todos, conseguimos amarrar o pára-choque (com linha de pesca) no lugar dele. Minha mãe ainda disse: “- ainda bem que só foi o pára-choque do carro!!!!”(mas ela estava errada)

Depois de cinco quilômetros começou a chover e por incrível que pareça começou a gotejar dentro do carro (pelo jeito o rack de cima do carro estava mal instalado), e mesmo embaixo de goteiras continuamos nossa viagem. Depois de mais meia hora, quando meu pai foi fazer uma ultrapassagem, o volante parou de responder e por mais que ele virasse o volante nada acontecia, para nossa sorte o problema apareceu na reta (se estivesse na curva, já era...), deu para parar o carro e virar as rodas do carro com as mãos, depois tivemos que empurrá-lo para o acostamento para tentar achar o problema.

Meu pai logo achou o problema e ficou estarrecido! a mangueira da direção hidráulica havia se desprendido do nada, derramando fluido hidráulico pelo motor e fazendo com que a direção parasse de responder. Após o pequeno concerto a gente novamente entrou no carro e voltamos a viagem.
Depois de uns quarenta minutos o carro quebrou de novo, gastamos mais meia hora para arrumar esse problema e novamente voltamos para a estrada. Minha mãe desesperada queria desistir da viagem e voltar para casa, com toda a calma do mundo meu pai dizia:

- “não se preocupe foram apenas infortúnios!!!!”

Viajamos bem por mais umas duas horas até que o carro quebrou de novo! Arrumado o carro nós voltamos a estrada, o carro quebrou por mais duas vezes e vai saber como o meu pai conseguiu dar um jeitinho todas as vezes que o carro quebrou. Já nervosa, minha mãe gritava a seguinte sentença toda vez que o carro quebrava ou dava um defeitinho:

- mas que c* ... eu avisei para comprar uma merda de uma carro nacional..... porra!!!! Porque ninguém me escuta? Tinha que comprar essa banheira “ching-ling” que não serve nem para espantar peido de velha!!!!

Mais a frente o meu pai disse “ acho que o pneu furou ” , então minha mãe na hora gritou “ pneu vagabundo filho da p*** deve ter vindo da china também, será que essa bos** tinha que furar logo agora????”. Aborrecido meu pai foi trocar o pneu...

Novamente na estrada, um outro barulho estranho nos perturbou novamente, o Pai chegou a dizer “ parece que tem algo esta sendo arrastado na estrada...”. Após isso ele olhou pelo retrovisor e soltou uma exclamação, logo após todos olharam para trás, havia um monte de faíscas saindo de baixo do carro e antes que alguém pudesse pensar em parar o carro o escapamento caiu... Por azar do destino, estava vindo um caminhão que passou por cima do escapamento com todas as rodas do lado direito e ao chegar na ultima roda do caminhão, o escapamento deu um giro junto com a roda e saiu voando para o meio do mato. Fingimos que nada havia acontecido e continuamos a viagem. Depois disso a merda carro ficou barulhento e soltado fumaça.

Com metade da viagem completada, minha mãe viu uma mancha preta no capo do carro e perguntou “o que é aquilo?”. Essa mancha foi aumentando, aumentando até que o pai gritou “a merda do carro ta pegando fogo!!!” . Paramos (com uma freada brusca) o carro e foi aquela correria para achar o extintor, abrir o capo e apagar fogo. Com a situação sobre controle e o fogo apagado resolvemos empurrar o carro até um posto de gasolina, pelo menos nesse ponto tivemos sorte (aleluia, finalmente tivemos um pouco de sorte), havíamos parado próximo a um posto de gasolina (uns 600m de distancia do posto) e no posto havia um mecânico... olha que sorte não?

O mecânico olhou o carro de cima a baixo e exclamou “ vixe Maria! o bichinho tá todo fudido”. Após mais alguma análise o mecânico disse ao meu pai:

- Óia só! esse carro ta todo colado!!! A pessoa que arrumou esse carro antes fez um charchixo para que o carro só andasse uns quilômetros sem dar problemas...

Ao ouvir isso minha mãe ficou vermelha (ela deve ter pensado: “veio filho da p*** vendeu o carro todo bichado para nós e o burro do meu marido comprou!!”), para ajudar o mecânico disse que ele iria precisar de um dia inteiro para poder arrumar o carro e que não existia peças daquele carro naquele lugar e por causa disso ele iria precisar adaptar algumas peças.

Para resumir o restante da historia lá não havia hotel e por isso tivemos de passar a noite num motel chulé, o quarto que meus pais ficaram até que era bom, mas o quarto que eu e meu irmão ficamos era um caos... Primeiro a gente teve que dividir a cama de casal em um motel, segundo o quarto fedia e terceiro tinha um rato que de vez em quando passava pelo meio do quarto ( apelidamos ele de Fred ).

Já no dia seguinte ao voltar no mecânico ficamos mais assustados do que nos já estávamos, o motor estava igual a um ninho de gato, o mecânico disse que teve que amarrar algumas peças que não estavam encaixando (isso porque ele usou peças do Gol, Opala, Ka e de Chevette), mas ele garantiu que se o carro quebrasse ele devolvia o nosso dinheiro.

E inacreditavelmente era verdade, o carro não deu nenhum problema mecânico. Mas em certo momento o freio não funcionou e meu pai teve que usar o freio de mão e com isso sofremos mais um susto. Em vez de puxar o freio de vagar, o infeliz do meu pai puxou tudo de uma vez só, fazendo com que o carro perdesse o controle, girasse na pista e parasse na contra mão de lado! Como nessa viagem azar nunca era pouco, havia um caminhão vindo em nossa direção, o caminhão guinou para o acostamento na tentativa de desviar de nosso carro, ele pegou de raspão o pára-choque e o arrancou (tanto trabalho para amarrar o pára-choque para nada) , fazendo que o carro desse mais um meio giro na pista. Foi um susto gigante acompanhado de vários gritos e xingamentos por parte de minha mãe. A batida não foi nada grava, nem precisou chamar a policia e o único que se machucou foi o bolso do meu pai que teve que pagar os arranhões no caminhão.

Apesar de tudo, conseguimos chegar na casa de minha avó que estava completamente preocupada com o nosso atraso de um dia.

No dia seguinte meu pai foi ate o ferro velho a cidade e vendeu aquela lata velha, com o dinheiro da venda deu para cobrir alguns prejuízos e comprar uma Brasília que usamos para voltar para casa. Só para avisar a Brasília não quebrou nenhuma vez!!! E para terminar eu queria usar uma frase de minha mãe: “ Nós fomos de carro importado e voltamos de Brasília!!!!”

2leep.com

4 Comentarios:

floripana disse...

esse carro eh uma verdadeira jagunça!!!

Susy disse...

com um carro desse prefiro andar a pe...

Anônimo disse...

da prossima vez vai de fusca, eh bem melhor!!!rss

Anônimo disse...

porque sera que tudo que vem do japao eh de pessima qualidade

 
©2009 Historias de minha vida | by TNB