Historia da komki


Essa historia começou numa idéia de um amigo de reunir uns amigos e ir passar uma semana na praia, para relaxar um pouco e esquecer da vida, no mesmo dia a gente combinou o que cada um que fazer para que a viagem acontecesse. Um combinou que iria arranjar o transporte, outro disse que arranjava uma casa para passarmos a semana, outro iria pegar uns colchões da casa dele, outro levaria comida e bebida etc... umas duas semanas depois nos estávamos prontos para a viajem, a única coisa que faltava era o transporte que não chegava. Tinha sete idiotas com um monte de tranqueira esperando havia uma hora outro idiota, o Marcelo, chegar com o transporte. Daí olhei para longe e vi uma Kombi velha e caindo aos pedaços vindo, ainda tive a infelicidade de ter o seguinte pensamento: “ será que ele arrumou aquela tranqueira para a gente ir viajar? NNNNNãããããoooo ele não seria tão idiota!!!”, mas pela nossa infelicidade ele foi alem de uma simples idiotice ele foi alem ( ele emprestou a Kombi do tio dele que é peixeiro e que usa a mesma para trabalhar), quando o Marcelo chegou e viu a nossa cara ele disse:
- quem quer dar um giro na cheirosa?
“ cheirosa? Oque ele quis dizer com isso?”, mas quando eu entrei no carro eu entendi o porque do apelido, tinha o maior cheiro de peixe podre. Mas bem, como não tinha outra alternativa ( como diria aquele ditado “ QUEM NÃO TEM CAVALO VAI BURRO MESMO!!!”) nos enfiamos as tralhas dentro da cheirosa e nos enfiamos no meio da tralha e fomos viajar mesmo com aquele cheiro de peido de veia que emanava dos bancos.
Para dar uma resumida: eram 8 pentelhos (nos) e um monte de bagulhos entuxados em uma Kombi que tinha o apelido de cheirosa que fedia e estava caindo as pedaços, indo para uma praia que ficava a mais ou menos uns 650 km de nossa cidade! e como nos andávamos a uma media de 60k/h, iríamos levar no mínimo umas 10 horas para chegar no nosso destino.
Mas levou bem mais de 10 horas para chegarmos, já que a cheirosa quebrou no meio do caminho e no meio do nada. Ficamos um tempo tentado arrumar a cheirosa mas ninguém conseguiu nada, nossa sorte e salvação divina (ou não) um tiuzinho de bicicleta passou por ali e deu para gente perguntar se ele sabia onde tinha um mecânico, para nossa surpresa quando o tiuzinho falou, nos tivemos que nos segurar para não rir, já que o tio era fanho e falava quenem o cebolinha da turma da Mônica:
- Oía!!!! Pala lá, ééééé daqui umas duas léguas bemmmm tem uma vila e lá deve ter um mercanico lá!!!!
Daí nos agradecemos o tio e ele foi embora em sua bicicleta torta, depois que ele foi embora a gente começou a discutir o que deveríamos fazer naquela situação:
- ( EU ) acho que nos deveríamos nos dividir em dois grupos, um cuida do carro enquanto o outro grupo vai buscar o mecânico..
- ( GUG ) não o melhor é a gente tentar arrumar o carro e quem sabe com um pouco de sorte a gente consiga arrumar essa pocilga.
- ( NADNAEL ) eu acho melhor a gente empurrar a cheirosa ate a vila, afinal algumas léguas não deve ser muito longe!!!!!
Nos colocamos as idéias em votação e a mais votada foi a de empurrar a cheirosa ate a vila, bem um tempo depois eu fui descobrir que uma légua é igual a 6,6 quilômetros, e que o veio tinha dito era verdade, a vila ficava mesmo a duas léguas mais ou menos 13 quilômetros (empurrando a Kombi).
Depois de muito esforço e de muito xingar o Nadnael nos chegamos a vila e levamos a cheirosa para o mecânico. O mecânico olhou, olhou, olhou, mexeu, mexeu, olhou e deu mais uma mexidinha no motor e disse:
- acho que não tem conserto não (deu uma pausa) acho que fundio o motor e não vai compensar vocês arrumarem porque se vocês comprarem um motor novo vai sair mais barato, se vocês quiserem tem um ferro-velho de um amigo meu e ele vai fazer um preço bem camarada pra vocês.
Daí fomos ao ferro-velho, falamos com o dono e chegamos a conclusão de que o motor iria comer todo o nosso dinheiro!!!! Se comprássemos o motor, nos iríamos ficar sem dinheiro para o combustível da volta. Bem passamos a noite na praça pensando num jeito de resolver o nosso problema, coisa que seria difícil já que lá não tinha banco e o ônibus que levava o pessoal para uma cidadezinha um pouco maior onde tinha um banco só passava a cada duas semanas e a gente tinha acabado de perde-lo. No dia seguinte o Carlos e o Gug pegaram umas tralhas e foram para frente da igreja (logo após o termino da missa), ele tentaram fazer um show de mágica para tentar conseguir dinheiro. Ate que o show foi lucrativo deu 12 reais e 59 centavos, mas só deu para comprar uma coxinha para cada um e um refrigerante. Daí eu passeando pelas poucas ruas daquele fim de mundo eu me deparei com uma Kombi pior do que a nossa, tava com um pneu furado e tava mais inferrujada do que a Derci Gonçalves!!!! Daí tive uma idéia loca e fui correndo contar aos meus amigos, como eles são mais doidos do que eu ele aceitaram a proposta e de madrugada eu e mais três levando uma maleta de ferramentas e uma cerrinha (que a gente encontrou dentro da cheirosa) fomos tirar o motor daquela Kombi para colocar na cheirosa ( nos combinamos que um dia a gente voltava ali e pagava o prejuízo ao dono) estava todos preocupados que seria difícil tirar o motor dali, mas pela a nossa surpresa os suportes que seguravam o motor estavam tão enferrujados que o motor logo caiu, e para o nosso azar o motor caiu no pé do Nadnael, que gritou:
- ai cacet**** essa me*** ta esmagando meu pé, mas que por***
na hora as luzes da casa do dono da Kombi se acenderam e um veio apareceu na janela, enquanto eu tentava tirar o motor do pé daquele infeliz o veio saiu para fora com as mãos nas costas e andando com as pernas abertas, parecia um cow-boy de filme americano andando(na verdade eu acho que ele tava assado), quando o velho tirou as mãos das costas todo mundo se assustou, o cara tava segurando um escopeta ( quando eu vi a escopeta eu pensei “ porque um veio gagá de bunda assada que mora no fim do mundo precisa de uma escopeta? Pior quem foi o imbecil que vendeu a escopeta para ele?”), foi a gente começar a correr e o veio começar a atirar, saímos correndo desesperados para trás de um muro, o veio deu mais uns tiros e parou, daí eu dei uma olhada por cima do muro e vi que o veio tava tendo problemas para recarregar a arma, aproveitei que ele tava enrolado e dei o alarme, todos saíram correndo para o outro lado da rua ate um morro que tinha uma decida de uns150 metros, nos pulamos no morro e descemos rolando( quem viu a cena de longe deve ter se perguntado: por que será que aqueles retardados estão descendo o morro rolando?), como eu tenho uma sorte enorme, depois de descer um pouco rolando eu dei de pança numa arvore e como fiquei para trás o veio começou a atirar em mim, por sorte o veio não acertou ninguém (alem de assado ele deveria ser míope, ainda bem!!!) mas chegou bem perto...
No outro dia eu sentei na calçada e fiquei pesando que o motor não poderia ter fundido, ele não soltou fumaça!!!! Ele antes de parar ele engasgou como se tivesse entupido alguma coisa, daí eu e um amigo desmontamos o motor e limpamos cada canto e buraco daquela joça, por incrível que pareça quando eu dei a partida o motor começou a funcionar como se nada tivesse acontecido. Conclusão nos voltamos a estrada, quando chegamos na praia a casa que iríamos ficar já estava alugada já para outras pessoas., já que a gente demorou a dona alugou para outras pessoas, com isso tivemos que passar as noites na Kombi, nos tirávamos os bancos e colocávamos colchões e quem não cabia dentro teve que durmir nas redes do lado de fora, na volta nos demos uma passada naquela vila e deixamos na porta do veio assado um presentinho ( pelos os problemas causado), deixamos um tubo de hipoglos na porta dele.

2leep.com

2 Comentarios:

meire disse...

Hum, passei para prestigiar este lindo blog, E espero que aceite meu award com muito carinho...
Conto com sua presença em meu blog, tbm!!
bjksss
Mel

Um Poema disse...

Parabens pelo Destaque da Gazeta de Blogueiros.
Gostei de te conhecer e a esta "História da komki"
Um abraço

 
©2009 Historias de minha vida | by TNB