Perdido com a loca


Em meu antigo colégio, avia uma competição anual ( uma gincana ) entre as salas, para arrecadar fundos para o colégio, em troca a sala vencedora ganhava um passeio de trem pela serra. A minha turma era uma das melhores, mas por dois anos consecutivos a nossa turma havia ficado em segundo lugar (ao estilo Rubinho Barriquelo), ficamos tão indignados com aquela situação que no ano seguinte fizemos muito mais que podíamos para ganhar a gincana, eu ate me vesti de mulher no concurso de travesti (para você ver como a gincanda de meu colegio tinha provas bem diversificada, alem do concurso de travesti, tinha o concurso de biquíni, de tapa na cara, de invenções malucas, de fazer balões, corrida de barquinho de papel etc...), esse esforço todo valeu a pena, ganhamos quase todas as provas que faziam parte da gincana, nós fomos tão bem que o segundo lugar ficou diversos pontos atrás, e como digna recompensa ganhamos o passeio de trem.
No dia do passeio a turma toda estava reunida em frente ao colégio, junto estava a diretora e mais dois professores que iam para ajudar a tomar conta dos alunos. O ônibus nos pegou na frente do colégio as 6 de manha e nos levou ate a ferroviária, na ferroviária ansiosos entramos no trem que logo começou a viagem. Eu estava feliz (já que era a primeira vez que eu andava de trem) e maravilhado com a beleza da cerra, eu não desgrudava a cara da janela por nada, nem mesmo na hora que eles serviram lanche eu tirei o olhar de fora do trem, estava tudo indo nos conformes ate que o trem começou a ir mais devagar, e mais de vagar, ate para no meio da serra, ficamos preocupados e curiosos para saber oque havia acontecido, mas essa curiosidade logo foi morta pelo condutor do trem que veio ate nós e disse o seguinte:
- seguinte pessoal, o motor pifo!!! A gente vai ter que esperar o resgate, enquanto isso vocês podem sair para esticar as pernas, mas não se afastem muito do trem, se alguém se perder nessa mata vai ser duro de achar depois viu!!!
Eu e meus colegas de turma ficamos assustados mas saímos para fora do vagão, alguns ficaram andando por perto do vagão, outros brincavam de pique-esconde, já eu fiquei sentado na escada de entrada do vagão lendo um gibi que eu tinha trazido para passar o tempo caso a viagem fosse monótona. Estava eu no meio da historia do Tio Patinhas quando a professora Darlene chamou para ajudar ela a catar maracujás na beira da mata, eu ate tentei argumenta “mas professora o homi disse para a gente não se afastar do ônibus” porem ela insistiu “não vai haver perigo nenhum, eu e você vamos ficar por perto, na beirinha da mata”, e depois de muito insistir ela me convenceu a acompanhá-la.
Ela ia catando os maracujás e eu os colocava numa sacola, fui seguindo a professora que ia entrando dentro da mata, ate tentei avisa-la mas ela nem de deu ouvidos, daí quando ela termino de catar os maracujás eu perguntei a ela:
- E agora aonde esta o trem?
- Fica para lá!!!
- Não eu acho que fica para o outro lado.
- Claro que não fica para mesmo, fique tranqüilo, pode confiar na sua professora.
Antes mesmo que eu pudesse argumentar ela saiu andando e para não me perder dela eu fui seguindo ela, depois de meia hora de caminhada não deu outra:
- Acho que estamos perdidos!!! (disse a professora)
- Você acha Neh!!!! Se você não tivesse falado nada eu nem teria percebido!!!
- Pare de ser sarcástico joão! Estamos correndo perigo! Não é hora de ficar fazendo piadinha.
- Porque estamos correndo perigo?
- Nessa mata existem vários animais perigosos, onça, jaguatirica, cobras e vários animais venenosos também.
- Sinceramente eu estaria mais seguro ao lado de uma onça que ao seu lado!!!
Depois de uma leve bate-boca nos continuamos andando, e quanto mais andávamos, mais o tempo passava e mais desesperada ficava a professora, depois de uma hora ela chegou a tal desespero que começou a chorar:
- Buahhhh! Nos vamos morrer! Buahhh! Nos vamos ser comidos por uma jaguatirica!!!
Daí ela ma abraçou e desbancou a chorar de novo:
- Buahhh! A culpa foi minha! Eu que coloquei você nessa robada!!!
- Calma professora a gente vai sair daqui.
Primeiro eu fiz ela parar de chorar (foi ate fácil fazer ela parar de chorar, eu só tive que dizer “se você continuar chorando, você vai atrair uma onça”), depois fomos ate a beira de uma rio e ficamos ali descansando. Após um tempo descansando a margem do rio eu comecei a ouvir vozes, primeiro eu pensei que era coisa da minha imaginação, mas logo percebi que era o resgate.
- Dona Darlene e João Paulo onde vocês estão???
- Aquiiiiii!!! (gritei com toda minha força) Através dos berros da professora os bombeiros nos acharam e nos resgataram, na volta ao trem um dos bombeiros me disse que a gente tinha se afastado mais de um quilometro do trem ( eu disse para ela que o trem ficava para o outro lado ). Foi um alivio tremendo quando vi meus amigos e companheiros que estavam esperando nos esperando numa estação de trem, eu fiquei aliviado, já a professora começou a espalhar para todos que a culpa foi minha, que eu havia levada ela para dentro da mata, pode isso, o engraçado que alem dele ter feito as burradas, ela não teve a coragem de admitir as cagadas, gente loca neh? Mas ninguém alem dela acreditou na historia que ela contou, todos viram ela me chamando para ir junto com ela para catar maracujás!!!

2leep.com

2 Comentarios:

Anônimo disse...

ashuahusahsuashu

Me chamam de Rafaela disse...

Paulo, blo de cara nova, hein?!
Como sempre, se superando nas histórias...
Abrção!

 
©2009 Historias de minha vida | by TNB