historia do cemiterio

Tinha um amigo que morava na frente de um cemitério, no sobrado que ele morava dava para ver todo o cemitério, uma vez na varanda olhando o movimento do cemitério tivemos a idéia de reunir uma galera para assustar as pessoas que passavam perto do cemitério a noite. A primeira coisa foi chamar a galera, depois armar alguma coisa para assustar as pessoas que passavam perto do cemitério, com o tempo a gente se aprimorou e gostando da coisa( claro que a rua escura e o movimento continuo de pessoas ajudava muito), pelo menos uma vez por semana a gente se reunia na casa dele, pensávamos em alguma coisa e pulávamos o muro do cemitério para por as idéias em pratica, ate o dia que o tio (como era conhecido o pai desse meu amigo) descobriu o que estavamos fazendo, e em vez de brigar, espernear e gritar com a gente, ele curtiu muito a idéia e se juntou a nós.

Para melhorar o tio tinha umas idéias muito massas e sabia como ninguém fazer explosões e alguns jogos de luzes, o que elevou o nível de nossas brincadeiras para outro nível! com brincadeiras muito mais complexas. Tinha varias coisas que a gente fazia, claro que nada de ficar escondido esperando uma pessoa aparecer para gritar buuu!!!! Tinha que ser algo mais complexo para ninguém desconfiar, por exemplo:


*para assustar mulher não tinha nada melhor do que ficar do lado de dentro do cemitério escondidos atrás do muro e entre dois túmulos, quando a mulher chegava perto um amigo nosso (que conseguia fazer uma vós fúnebre) falava o seguinte texto em vos baixa, mas alta o suficiente para a pessoa que estivesse passando pela rua ouvir:
- depois que eu me matei fiquei tão solitário, minha família não me visita e nem meus amigos vem me ver, eu pensei que me matando eu seria mais feliz mas na verdade eu só fiquei mais solitário. Ah mas eu estou pensando seriamente em trazer uma pessoa para vim falar comigo e deixar de ser solitário!!!!
No começo tinha pessoas que ate paravam para ouvir, mas quando ele terminava a frase normalmente as pessoas saiam correndo, tinha algumas que subiam no muro para ver o que estava acontecendo, mas para essas mais corajosas tinha um amigo fantasiado esperando para assustá-las, essas sempre saiam correndo...

*a outra artimanha era o que a gente chamava de dialogo dos viados, era nada mais do que eu e um amigo meu imitando dois viados conversando, a gente sempre usava essa para assustar bêbados, sempre dava certo, o dialogo que a gente fazia era mais ou menos assim:
- Sabe sinto tanta falta de poder ir para a balada.
- É eu também sinto falta de sair, mas o que eu sinto mais falta é da minha mãe e do meu bof.
- Sabe a morte é tão ruim não estar viva, não poder comer, beber e nem sentir prazer.
- É mas a sorte que eu encontrei você pelo menos podemos passar o tempo conversando!!!
Nessa hora quando o bêbado se aproximava mais a gente começava a falar o seguinte:
- Sinto cheiro de homem...
- Eu também estou sentido o cheiro
- Ai saia lá para ver se é um homem mesmo, se for homem a gente trás ele para dentro para nos brincarmos um pouco com ele!!!
Nessa hora a gente colocava alguém com uma fantasia bem bizarra de travesti (que alias pertencia ao tio, era uma sobra de carnaval) em cima do muro, essa pessoa olhava para o bêbado dava um berro “- Um homem gostoso...” pulava o muro e saia correndo atrás do bêbado, claro que normalmente o bêbado caias ao dar três passos, mas logo levantava e voltava a correr
Mas teve muito outras coisas que fizemos, mas a que mais deu certo foi uma que aprendemos vendo as pegadinhas do Silvio Santos, e que assustava qualquer um:
* a gente arranjou uma corda de rapel que era o suficiente grande para uma ponta ser amarrada no alto do sobrado e a outra ponta numa jabuticabeira que ficava dentro do cemitério, daí pegava-mos o vestido de noiva da mãe de um amigo nosso, e colocava-mos em uma mulher( normalmente uma amiga nossa ), colocava-se um pó branco na cara dela e arrepiava o cabelo dela. Ela era presa com um colete na corda que ia ate o cemitério(era mais ou menos como uma tirolesa) toda vez que passava alguém a gente soltava ela do sobrado e ela ia deslizando pela corda ate o cemitério onde tinha dois caras para segurar ela.
Não tinha ninguém que não se assustasse, principalmente porque havia uma amiga nossa que ficava do outro lado do cemitério com um mega fone recitando o seguinte texto:
- Meu marido me mato, e desde que eu morri fiquei muito sozinha e para atenuar essa solidão eu escolhi você para ficar comigo e me fazer Campânia. Haahhaaahaaahaaa!!!!

Daí a gente soltava a nossa amiga do sobrado e ela descia gritando ate o cemitério, e a pessoa saia correndo, essa brincadeira era muito boa mas tivemos que parar de fazer ela porque depois da menina quebrar o braço pela segunda vez ela não quis mais participar da brincadeira...
Mas essa folia durou ate o dia que estávamos esperando entre os dois túmulos costumeiros alguém para assustar, quando nós ouvimos uma batida dentro de um dos túmulos: toc, toc, toc...
A gente vasculhou todo o tumulo e não achamos nada, a gente pensou ate que tinham enterrado alguém naquele dia e que a pessoa estava viva, mas as únicas pessoas que estavam enterrados lá era um casal que estava enterrados a pelo menos uns dez anos, daí do nada a gente ouviu uma vos bem fraca vinda de dentro do tumulo:
-“ me deixem descansarrr”. Mas na mesma hora todo mundo pulou o muro desesperado, uma galera caiu e teve um que ate quebrou a perna, e todos correram para dentro da casa do tio. Uma tempo depois a gente descobriu que os coveiros e os guardas do cemitério se juntaram para armar uma com a gente, eles abriram o tumulo tiraram o caixão e colocaram um dos coveiros ali dento e fecharam o tumulo deixando apenas um pequeno buraco para o cara respirar.

2leep.com

6 Comentarios:

Mari disse...

voces sao muito criativos

Anônimo disse...

Bah...
vcs sao mto lokos
suaisahsahsihasi
^^

Anônimo disse...

muito bacana

Anônimo disse...

voçêeis nun prestaam, daóra as armassões.Maiis nun cemitério?um UNICO lugar para os mortos descanssarem? Sãao completamentee lokoos, nun seei como voçêis teve corageem de entrar lá dentro em plena NOIITEE. eu sei q pode ser impossível,maiis se fosse verdade de um morto pedir para voç~eis dexarem elee descançar? Essa eu qria veer... DOIIDOOS :X

Joanair Ribeiro de Almeida disse...

E eu sou morador daquele cemitério há 150 anos, e estive observando vocês o tempo todo. Agora venho em férias do além. E como vingança, quando eu retornar para a minha catacumba, levarei comigo pelo menos três de vcs. rsrsrsrsrsr, hahahahah

Muito criativos, mas as brincadeiras são perigosas e macabras demais.

GRANDE ABRAÇO.

Anônimo disse...

Vocês são foda tem que ter coragem de fazer essas brincadeiras!!!Jamais faria isso!n

 
©2009 Historias de minha vida | by TNB